Os estudos de diabetes e gravidez datam desde o século XIX. VC Sabia?

 Nesta época os autores referiam não conhecerem diabéticas grávidas pois acreditava-se que estas não engravidariam. Na verdade se engravidavam corriam risco de vida e quando a gravidez evoluía os fetos não sobreviviam, morrendo ainda dentro do útero sem causa aparente...
Com o surgimento da insulina neste século (1922), pôde-se ajudar as pessoas portadoras de diabetes e mais mulheres passaram a conseguir engravidar e mais fetos começaram a chegar ao final da gravidez com mais chances de vida.
Somente a partir de 1970 com estudos mais detalhados do metabolismo de carboidratos e da gestante é que se pode saber como e quando intervir numa gravidez e melhorar o prognóstico materno e fetal.
Hoje com uma boa equipe composta de obstetra, endocrinologista, nutricionista, enfermagem, psicóloga, anestesista e neonatologista experientes, temos ótimos resultados no desfecho da gravidez.
A gravidez provoca alterações metabólicas importantes visando o feto, seu crescimento e desenvolvimento. O organismo materno se adapta para mandar para o feto quantidades de energia cada vez maiores dependendo da idade da gestação, principalmente no final quando as necessidade energéticas do feto aumentam ...e isto ele faz "provocando" uma resistência à ação da insulina nas células da mãe. Assim a glicose não consegue passar adequadamente do sangue para as células maternas e "sobraria" mais glicose para ser transportada via placenta para o feto.
Na diabética estas alterações levam a descompensações importantes do sistema insulina-glicose, com alterações graves na mãe e também anomalias fetais.
Podemos ter basicamente, 3 tipos de diabetes associados a gestação:
-Gestantes diabéticas cujo diagnóstico foi feito antes da gravidez atual.
-Gestantes com história sugestiva de diabetes .
-Gestantes sem história nenhuma de diabetes que desenvolvem a diabetes durante a gestação.
Para fazermos o diagnostico da diabetes podemos realizar os seguintes exames:
1-Glicemia de jejum.
2-Teste de tolerância a glicose.
3-Hemoglobina glicosilada.
Fonte internet


Nenhum comentário:

Postar um comentário