Síndrome de Kawasaki.

A síndrome de Kawasaki ficou mundialmente conhecida no ano de 2009, quando o filho do ator John Travolta caiu no banheiro, feriu a cabeça. Em entrevista, o ator afirmou que seu filho sofria da síndrome de Kawasaki, mas não foi a causa da morte.
Essa síndrome é um tipo de vasculite sistêmica aguda, ou seja, inflamação repentina das paredes das artérias do corpo da criança. É rara e acomete mais as crianças menores de cinco anos (80% dos casos), asiáticas (90 casos por 100 mil habitantes contra 10 casos por 100 mil entre não-asiáticos) e do sexo masculino (a incidência é duas vezes maior). Não há uma causa conhecida, mas acredita-se que seja por fatores infecciosos e alguma predisposição genética.






O diagnóstico pode ser difícil no começo, mas muito importante. Há três fases de sintomas. A primeira começa com febre alta (em torno de 40°C) por mais de cinco dias, podendo chegar a duas semanas, vermelhidão do tronco e da região genital, os dois olhos vermelhos e inchados, mas sem secreção, lábios rachados e língua inchada e vermelha como um morango. Dor de garganta e aparecimento de ínguas ou gânglios inflamados, principalmente na região do pescoço, podem ocorrer nessa primeira fase da doença.


A segunda fase é marcada por descamação dos pés e das mãos, dores nas juntas, diarréia, dor abdominal e vômitos e pode durar até duas semanas. Já na terceira, os sintomas regridem lentamente até a recuperação quando há o tratamento.


A maior complicação que pode acontecer na Síndrome de Kawasaki é quando há o comprometimento do coração, como aneurismas nas artérias coronárias, inflamação do músculo (miocardite) ou da membrana que recobre o coração (pericardite). Aneurismas são perigosos por facilitarem a estase de sangue e a obstrução da artéria, causando o infarto (morte de tecido do músculo cardíaco por falta de oxigênio).


Em média, apenas duas em cada 100 crianças com a doença de Kawasaki desenvolvem aneurismas e problemas cardíacos.


Nem todas as crianças apresentarão todos os sintomas citados. Muitas podem ter manifestação incompleta da doença. Não existem testes laboratoriais específicos para o diagnóstico, que é clínico levando em conta os sinais e sintomas da doença. Exames de urina, sangue e coração podem complementar o exame clínico.


O tratamento consiste em diminuir a inflamação e prevenir maiores complicações. É indicado o uso de ácido acetilsalicílico para a redução da inflamação. Esse ácido também funciona na administração na veia de uma substância chamada gamaglobulina, que é um derivado do sangue que reduz a dilatação dos vasos do coração, fazendo regredir aneurismas de pequeno e médio diâmetros. Depois, ainda é preciso investigar se houve complicações cardíacas.


Quando a síndrome se resolver, exames periódicos devem ser realizados para acompanhamento da criança. É importante a realização de exames de sangue, como o hemograma e a velocidade de hemossedimentação (VHS), até que voltem ao normal.


Caso a criança permaneça com aneurismas, deve-se fazer um controle com exames cardiológicos de tempos em tempos, na indicação do seu médico. O médico também pode afastar a crianças de determinadas atividades físicas para evitar que se machuque e sua vida corra risco em virtude dos remédios que toma, evitando riscos de formação de coágulos no sangue.


Lembre-se, mamãe, de que o diagnóstico precoce e a adesão ao tratamento são fundamentais para evitar as complicações da doença


Nenhum comentário:

Postar um comentário