Cuidados com os cabelos e a pele na gravidez: o que é permitido e proibido?

Eles costumam sofrer com os hormônios da gestação. Conheça o que você pode e deve usar para ficar linda. E do que é melhor fugir
Fio a fio


A gravidez tem um efeito imprevisível nos cabelos. Os oleosos podem ficar secos e quebradiços, e os secos ganharem oleosidade. Isso ocorre por conta da ação do hormônio progesterona que estimula as glândulas sebáceas, fazendo com que haja um aumento de oleosidade na raiz. Já os cabelos lisos podem se tornar mais ondulados e os crespos ficarem menos cacheados. Ocorrem também alterações no volume, no crescimento e até na queda dos fios.


Mas calma, em geral, após o terceiro mês, e no máximo até o término da gravidez, suas madeixas devem voltar ao que eram antes. Prepare-se apenas para a queda de cabelos, que costuma acontecer logo após o parto e persiste por cerca de três meses. Apesar de essa queda ser natural, é aconselhável ingerir mais proteínas e vitaminas para amenizar a perda excessiva dos fios.


O que sim


Para os cabelos que ficaram ressecados, invista em hidratação. Não há nenhuma restrição quanto a isso. E os que ficaram oleosos podem ser lavados diariamente, com xampus específicos para combater a oleosidade. Escove os cabelos com menos freqüência para não deixá-los ainda mais pesados e oleosos. E sempre que puder opte por produtos naturais.


O que não


Como não existem testes científicos que comprovem que amônia — usada em muitas tinturas — não faz mal ao bebê, o ideal é evitar tratamentos que usem produtos químicos com essa substância. As tradicionais tinturas, à base de amônia, são realmente contra-indicadas. Mas também não é preciso passar a gravidez inteira com a raiz escura ou cheia de fios brancos e a auto-estima lá embaixo. Você pode usar tinturas sem amônia, xampus tonalizantes e hennas naturais. “Não fazem mal ao bebê”, assegura Denise Steiner, dermatologista e presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia de São Paulo. Mesmo assim, o mais indicado, dizem os médicos, é começar a pintar os cabelos só após o primeiro trimestre da gravidez, época da formação do feto. Depois do terceiro mês, também é permitida a realização de reflexos, da metade dos fios para as pontas, só uma ou duas vezes durante a gestação.






Agora atenção: permanentes e alisamentos devem esperar porque contêm amônia. “Após o parto, podem ser realizados. Já foi provado que essa substância não passa pelo leite”, garante Keiko Miyasaki Teruya, pediatra e co-diretora do Centro de Lactação de Santos.




Brilho no rosto


A pele do rosto também sente os efeitos da gravidez. Umas ressecam, outras ficam mais oleosas. Podem também aparecer acnes, manchas ou alergias — até a produtos que você usava antes de engravidar. O importante é ficar atenta às reações e usar truques de maquiagem para esconder a palidez, natural dos primeiros meses devido aos enjôos, e as olheiras por conta das noites maldormidas.




O que sim


A maquiagem está liberada. Ainda bem. Nada melhor que levantar a auto-estima com um belo rímel e gloss. Mas, além do básico, o ideal é investir no cuidado com a pele, limpando e hidratando. O uso de filtro solar é fundamental, mesmo em dias nublados. Atualmente, já existem boas bases com proteção solar 15. Se possível, opte por produtos antialérgicos. Mas, se preferir utilizar os de sempre, fique atenta caso haja qualquer reação. Se a pele se tornar acnéica, um dos caminhos é fazer limpeza de pele. E nesse caso é sempre aconselhável falar com seu obstetra e procurar uma dermatologista para analisar a sua pele e encaminhar para o melhor tratamento.


O que não


Como nos cabelos, é sempre aconselhável evitar tratamentos mais agressivos na pele, com química forte que pode causar alergia. Sua pele também estará sensível e poderá manchar com mais facilidade, portanto evite peelings, lasers e técnicas mais invasivas, como o botox. E, sempre que ficar em dúvida sobre qualquer procedimento, ligue para o seu obstetra: ele saberá informá-la sobre o que não faz mal ao seu bebê.


Nenhum comentário:

Postar um comentário